Pular para o conteúdo
Voltar

“Barroco em Silva Freire” marca segunda live da série “Conversas ao pé do cajueiro”

A edição de novembro tem a participação do professor Vinicius Carvalho Pereira, da UFMT, e Larissa Silva Freire, com mediação da professora e filósofa Maurília Valderez do Amaral
Protásio de Morais | Secom-MT

A Casa de Cultura Silva Freire abriga acervo com boa parte da produção cultural do poeta Silva Freire, coleção literária, fotos, documentos, áudios, vídeos e objetos pessoais
A Casa de Cultura Silva Freire abriga acervo com boa parte da produção cultural do poeta Silva Freire, coleção literária, fotos, documentos, áudios, vídeos e objetos pessoais
A | A

O canal do Youtube da Casa Silva Freire exibe, na próxima terça-feira (29.11), às 19h30, a segunda live da série “Conversas ao pé do cajueiro”.  Vinicius Carvalho Pereira, professor do departamento de Letras da UFMT, e Larissa Silva Freire falam sobre o “Barroco em Silva Freire”.

Com mediação da professora e filósofa Maurília Valderez do Amaral, a live integra a nova programação da Casa Silva Freire, uma das instituições vencedoras do edital Rede Pontos de Cultura, da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso (Secel-MT).

“O barroco, na poesia visual do cerrado brasileiro, assinala que a obra de Silva Freire faz uma releitura dos elementos neobarrocos e concretos da arte de sua época à luz de sua cultura local, evidenciando outra possibilidade de entender a poesia visual brasileira da segunda metade do século 20. Detém atenção para observar a abundância dos recursos visuais e a reincidência do barroco como tema, figura retórica e item lexical nos poemas silvafreireanos, bem como observa que o neobarroco é ‘construído em diálogo com a cultura e o espaço cuiabanos’”, explica Vinícius Carvalho.

Para Larissa Silva Freire, o tema da live de novembro diz muito sobre o poeta, que gostava de destacar o tempo de observar os detalhes.

“A reapropriação do barroco por Silva Freire se torna o modo como o poeta habita o giro decolonial, um giro antropofágico, seu modo de entortar a linha reta com a pedra canga, que faz a fusão de linguagens vanguardistas com a fidelidade telúrica na defesa da herança atávica (contra o epistemicídio da cuiabania), no que inventa seu caminho literário”, adianta.

Além dos 12 programas “Conversas ao pé do cajueiro”, planejados para ocorrer mensalmente, a Casa Silva Freire oferece ainda uma série de visitas escolares guiadas e oficinas de formação.  

Localizada na Rua Cândido Mariano, 707, Centro Norte de Cuiabá, a Casa de Cultura Silva Freire abriga acervo de imensurável valor, com boa parte da produção cultural do poeta Silva Freire, coleção literária (com muitos textos inéditos), fotos, documentos, áudios, vídeos e objetos pessoais, que logo estarão totalmente disponíveis ao acesso público e gratuito.

Ponto de Cultura integrante da Rede de Pontos de Cultura de Mato Grosso, a Casa de Cultura Silva Freire, fundada em 8 de abril de 2010, é uma associação sem fins lucrativos, que possui a finalidade de preservar e difundir a obra do poeta Benedito Sant’Ana da Silva Freire e a produção do movimento Intensivismo e Poema//Processo, por meio da promoção e incentivos à cultura, educação, literatura, arte e ciências no Estado de Mato Grosso.